Os Pactos

a. Os Pactos
A palavra pacto pode ser definida como a “concessão voluntária da parte de Deus”(CFW, VII: 1) pela qual Ele (o criador) capacita o ser humano (suas criaturas) a obedecer, glorificar, e gozá-lo. A Confissão de Fé de Westminster reconhece dois pactos:

1. O pacto das obras
“O primeiro pacto feito com o homem foi o pacto das obras, na qual a vida foi prometida a Adão; e nele para sua prosperidade, na condição de uma obediência perfeita e pessoal” (VII:2). Adão, constituído por Deus para ser o cabeça de toda raça humana, quebrou esse pacto. Ele (e com ele) e toda humanidade pecaram e caíram pela transgressão do mandamento de Deus. Tornou-se então impossível para qualquer descendente de Adão que fosse gerado após esse fato, gozar então a vida eterna. Toda e qualquer pessoa, a não ser pela intervenção de Deus, estaria morta no pecado, condenada, e destinada à punição eterna.

2. O pacto da Graça
Sim, Deus interveio! “Deus, não meramente pelo seu prazer próprio, por toda eternidade, elegeu alguns para vida eterna, trazendo-nos assim para um pacto de Graça, para livrar o ser humano de seu estado de pecado e miséria, e trazê-los a um estado de salvação através da pessoa do redentor.” (Catecismo Menor, Pergunta 20). Nossa fé reformada insiste que só há um, e um somente, caminho para a salvação, através do Redentor, Jesus Cristo. Todos aqueles que são trazidos para esse estado de salvação, desde Adão até a ultima pessoa sobre a face da terra, entrarão pelo pacto da graça. A mais simples e básica divisão da Bíblia não é entre o Antigo e Novo Testamento (Como afirmam os dispensacionalistas), mas entre Gênesis 1:1 a 3:16 e o resto da Bíblia. Após a quebra do pacto das obras, Deus nos introduz em um gracioso pacto de salvação através do Antigo e do Novo Testamento. Há uma única igreja por todos os tempos. Verdade, essa igreja única existe tanto na era da promessa (O Velho Testamento) e na era do cumprimento de toda profecia (O Novo Testamento). “Portanto não existem dois pactos de graça, diferentes em substancia, mas somente um único, debaixo de várias dispensações.” (CFW, VII:6). Essa igreja única possui um mediador, O Senhor Jesus Cristo. Quando o Verbo de Deus se encarnou, Ele se tornou o profeta. Como aquele que veio eliminar o pecado e ser o servo perfeito de Deus, Ele também é o Sacerdote. Como o juiz e defensor da igreja de Deus, Ele é o Rei.

Fonte: IPB.org.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s