Esgotamento Espiritual e o Legalismo – Malcolm Smith

stress-burnout-match-e1425595742205

Fariseu era uma pessoa que se havia dedicado a observar minuciosamente a lei de Moisés, chamada Torah (os primeiros cinco livros da Bíblia) na língua hebraica. O juramento dedicatório era denominado “tomar o jugo da Torah”. Consideravam-se separados para Deus, sua lei e para uns com os outros. Formavam um círculo bem fechado, dentro do qual só eram bem-vindos os devotos, círculo que os separava do mundo de pecadores lá fora.

Na realidade, as exigências da lei eram simples: amor a Deus e ao próximo. Mas a religião sente-se perturbada pela simplicidade. Em vez de perguntar como é que a lei de Deus deveria ser observada, eles perguntavam: “Como é que vamos deixar de quebrá-la?” A partir desta pergunta, todas as formas de debates e questionamentos foram surgindo, finalizando nas determinações legalísticas dos fariseus que objetivavam evitar que a pessoa sequer se aproximasse do ponto em que poderia quebrar a lei de Deus.

Estas leis feitas pelo homem eram denominadas “leis da cerca”, a saber, leis que circundavam a lei de Deus, tentando evitar que o devoto corresse o risco de quebrá-la. Nunca perceberam que se apegassem ao amor, teriam guardado toda a lei, e mais ainda. Em vez disso, enterraram-se num pantanal de preceitos sem fim e sem sentido.

As “leis da cerca” procuravam circundar todas as áreas da vida. Havia leis sobre como a pessoa devia vestir-se, sobre o que podia comer ou beber, os lugares aonde podia ir ou não, o que podia fazer, as pessoas com quem se podia relacionar e, mais importante do que tudo, o que não podia fazer no sábado, e outras centenas de pequenos rituais que precisavam ser observados quando a pessoa ia comer, orar ou jejuar.

Até mesmo o israelita secular era constantemente lembrado pelos fariseus quanto aos preceitos da lei, e sentia frequentes beliscões de consciência culpada por não estar vivendo à altura dos padrões de santidade que os intérpretes legais haviam declarado ser a verdade final.

Farm_fence_in_Watlington

O mal do sistema não estava naquilo que a lei proibia, ou ordenava (embora a maior parte do sistema fosse exercício tolo de futilidade), mas na raiz do amor egoísta. A guarda das regras pelos fariseus seria aceitável por Deus; o nível de sua obediência à lei seria indicação de onde ficavam na escada que galgavam com tanto esforço, na direção de Deus. Entretanto, não obstante a retidão dos objetivos, Deus não pode ser alcançado mediante a observância de mandamentos e pelo desempenho de rituais.

Foi contra esta forma de religião que Jesus proferiu suas palavras mais duras. Quando viu o que esse sistema doutrinário estava fazendo às pessoas, ele se moveu de compaixão:

“Vendo ele as multidões,  tinha grande compaixão delas, porque andavam cansadas e abati¬das, como ovelhas que não têm pastor”. (Mt 9:36)

A essas ovelhas, cansadas e exaustas devido aos constantes jugos pesados colocados sobre elas pela religião, disse Jesus:

“Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis DESCANSO PARA AS VOSSAS ALMAS. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”. (Mt 11:28-30)

A palavra “cansado” significa: “exausto, ter trabalhado até que não resta força alguma”. Hoje, no contexto em que Jesus estava falando, poderíamos traduzir o texto assim: “queimados espiritualmente, esgotados de toda força espiritual, exaustos na tentativa de agradar a Deus”. Aquelas pessoas estavam sobrecarregadas, esmagadas pelo peso de todas as leis e preceitos que a religião jogara em cima delas.

Jesus convidou as pessoas a virem a ele e, ao agir assim, atirou a luva desafiadora no rosto da religião. Ele usou esta expressão: Tomai sobre vós o meu jugo… (v. 29), frase que descrevia o juramento de fidelidade à religião com todos os seus preceitos.

Jesus estava afirmando que ele próprio é a nova Tora, a nova Lei, não uma lista de mandamentos, mas uma Pessoa viva; e diz mais: que a aceitação do jugo de Cristo propicia descanso. A versão chamada Bíblia Ampliada diz o seguinte: … e encontrareis descanso — alívio, consolo, refrigério, recreação e abençoado sossego — para as vossas almas.

A religião trouxe o burnout espiritual. Jesus prometeu que vir a ele resultaria em recreação, com um período de férias… vida em que a pessoa estaria gozando de contínuo refrigério e renovação em seu relacionamento com ele.

Entrar em estado de burnout espiritualmente é alternativa que só pode ocorrer quando há má compreensão fundamental do cerne do evangelho, ou quando a pessoa falha em aplicá-lo em sua vida e ministério. Um crente espiritualmente exausto está exibindo sintomas de um problema muito mais grave.

Trecho do livro: Esgotamento Espiritual – Malcolm Smith

Anúncios

Por que o Facebook (e sua igreja) podem estar te deixando triste? | Russell Moore

tragedy

Fomos avisados que mídia social pode nos distrair, diminuir nossa atenção, nos desligar de relacionamentos da vida real. Agora um novo estudo sugere que o Facebook também pode tornar-nos infelizes. Eu suspeito que há alguma medida de razão nisto, e não é apenas sobre o Facebook. Trata-se de nossas igrejas.

A revista Slate cita um artigo em uma revista de psicologia social que iniciava com uma observação sobre como os estudantes universitários se sentiam mais desanimados após fazerem logon no Facebook. Havia algo que os entristecia ao “percorrer outros perfis e fotos legais, biografias vencedoras, e atualizações de status.” Os alunos tiveram o humor obscurecido porque acreditavam que todo mundo era mais feliz que eles.

A jornalista Libby Copeland especula que o Facebook pode “ter um poder especial de nos fazer mais tristes e solitários.” Como pode acontecer isso, no entanto, quando o Facebook geralmente é assim… bem, feliz, cheio de rostos sorridentes e famílias bonitas? Bom, esse é justamente o ponto.

“Ao apresentar a parte mais espirituosa, alegre de vidas tão bonitas, e convidar as pessoas a constantes comparações em que tendemos a nos ver como os perdedores, o Facebook parece explorar o calcanhar de Aquiles da natureza humana”, escreve Copeland. “E as mulheres, um grupo especialmente infeliz, podem tornar-se especialmente vulneráveis ao se informarem sobre o que imaginam ser a felicidade dos vizinhos.”

Sim, Copeland escreve, o Facebook pode registrar crianças bonitinhas e momentos agradáveis, mas isso nunca é o todo, ou mesmo a maior parte, da história de vida de qualquer pessoa. “Lágrimas e acessos de raiva raramente são registrados, nem os surtos de maluquices”, escreve ela.

Agora, em um sentido, quero falar com quem realmente se preocupa com o Facebook. Se você é aquele que se compara aos outros, desligue a tela do computador e faça uma desintoxicação do brilho azul dela. Mas ao mesmo tempo, me parece, o mesmo fenômeno está presente nos bancos de nossas igrejas cristãs.

Nossos “bem sucedidos” pastores e líderes sabem sorrir. Alguns deles fizeram escovinhas e usam abotuaduras, outros são grunges e usam cabelo bagunçado. Mas eles estão aqui para nos “empolgar” sobre “o que Deus está fazendo em nossa igreja.”

Nossas músicas de adoração são tipicamente celebrativas, tanto nas letras quanto na expressão musical. Na última geração, uma canção triste sobre a crucificação foi animada com um coro bem alegre: “Foi ali pela fé que um dia eu vi, e agora estou feliz o dia todo!”

Este não é apenas um problema da grande geração reavivalista. Mesmo as músicas de adoração contemporâneas que vêm diretamente dos Salmos tendem a se concentrar em salmos de crescimento ou de exuberância alegre, não salmos de lamento (e certamente não em salmos imprecatórios!).

Podemos facilmente cantar com o profeta Jeremias: “grande é a tua fidelidade” (Lm 3:23). Mas quem pode se imaginar cantando, na igreja, com Jeremias: “Cobriste-te de ira, e nos perseguiste; mataste, não perdoaste. Cobriste-te de nuvens, para que não passe a nossa oração. Como escória e refugo nos puseste no meio dos povos.”(Lm 3:43-45).

Essa sensação de jovialidade forçada é visto nas “liturgias” ad hoc(que tem uma finalidade especifica) da maioria das igrejas evangélicas na saudação e na despedida. Ao começar o culto temos um pastor sorrindo ou um líder de louvor empolgado: “É ótimo ver você hoje!” Ou “Estamos felizes por você estar aqui!”. Ao terminar o culto o mesmo semblante sorridente e cheio de dentes diz: “Vejo vocês no próximo domingo! Tenham uma ótima semana!”

Claro que teremos. O que mais poderíamos fazer? Estamos alegres no Senhor, não estamos? Queremos incentivar as pessoas, não é? E, no entanto, o que estamos tentando fazer não está funcionando, mesmo nos termos que estabelecemos para nós mesmos. Suspeito que muitas pessoas em nossos bancos olham ao redor e acham que os outros têm a felicidade que continuamos prometemos, e se perguntam por que ela passou por elas sem avisar.

Ao não falar, quando a Bíblia fala, sobre toda a gama de emoções humanas, incluindo a solidão, a culpa, a desolação, raiva, medo, desespero, apenas deixamos o nosso povo perguntando por que eles simplesmente não podem ser “cristãos” o suficiente para, afinal de contas, sorrir.

O evangelho fala uma “língua” diferente, no entanto. Jesus diz: “Felizes os que choram, porque serão consolados” (Mt 5:4). No reino, recebemos o conforto de uma forma muito diferente do que somos ensinados em nossa cultura. Recebemos o conforto não por, de um lado, chorar por nossos direitos ou, por outro lado, fingir nossa felicidade. Somos consolados quando vemos o nosso pecado, nossa fragilidade, nossa situação desesperadora, e lamentamos, choramos, clamamos por libertação.

É por isso que Tiago, irmão de nosso Senhor, parece tão fora de sintonia com o ethos contemporâneo evangélico. “Senti as vossas misérias, e lamentai e chorai”, ele escreve. “Converta-se o vosso riso em pranto, e o vosso gozo em tristeza” (Tiago 4.9). O que aconteceria a um líder de igreja que terminasse o culto dizendo ao seu povo: “Tenha um dia infeliz!” Ou “Espero que todos chorem bastante esta semana!” Soaria como louco. Jesus sempre parece louco para nós, à primeira vista (Jo 7.15, 20).

Ninguém é tão feliz quanto parece no Facebook. E ninguém é tão “espiritual” quanto parece com o que julgamos como “espiritual” o bastante para o culto cristão. Talvez o que precisamos em nossas igrejas são mais lágrimas, mais falhas, mais confissão de pecados, mais orações de desespero que são profundas demais para palavras.

Talvez, então, os solitários, culpados e os desesperados entre nós verão que o evangelho não chegou para o feliz, mas para os contritos de coração, não para o saudável, mas para o doente, não para os achados, mas para os perdidos.

Portanto, não se preocupe com as pessoas felizes e deslumbrantes do Facebook. Elas precisam de conforto e libertação tanto quanto você. E, mais importante, vamos deixar de ser essas pessoas felizes e deslumbrantes quando nos reunimos em adoração. Não tenhamos vergonha de gritar de alegria e não tenhamos vergonha de chorar de tristeza. Vamos nos educar, não para fazer publicidade, mas, para a oração, por arrependimento e por alegria.

Tenha um dia infeliz (e um abençoado também).

Tradução: Rafael Bello| reforma21.org | original aqui

O Custo do Não-Discipulado | Rev. Ricardo Barbosa

narrow_way b

Em 1937, o teólogo alemão Dietrich Bonhoeffer publicou seu famoso livro “O Custo do Discipulado”. Uma exposição do Sermão do Monte, na qual ele comenta o que significa seguir a Cristo. O contexto era a Alemanha no início do nazismo. Sua preocupação era combater o que ele chamou de “graça barata”, essa graça que oferece perdão sem arrependimento, comunhão sem confissão, discipulado sem cruz. Uma graça que não implica obediência e submissão a Cristo. Seu compromisso com Cristo e sua cruz o levou a morte prematura em abril de 1945.

“O Custo do Discipulado” é um livro que precisa ser lido pelos cristãos brasileiros do século 21, com sua fé secularizada, sua moral relativizada, sua ética minimalista e sua espiritualidade privada e narcisista. A “graça barata” tem nos levado a conceber um cristianismo medíocre e uma espiritualidade que não expressa a nobreza do reino de Deus.

A fé cristã não é o produto de uma subcultura religiosa. Também não é apenas um conjunto de dogmas e doutrinas que afirmamos crer. É, antes de tudo, um chamado de Cristo para segui-lo. Um chamado para tomar, cada um, a sua cruz de renúncia ao pecado e obediência sincera a tudo quanto Cristo nos ensinou e ordenou.

Muitos olham para este chamado e reconhecem que o preço para seguir a Cristo é muito alto. Esta foi a preocupação de Bonhoeffer. De fato é. Amar os inimigos, abençoar os que nos rejeitam orar por todos os que nos perseguem, sem dúvida é muito difícil. Perdoar os que nos ofendem resistir às tentações, buscar antes de qualquer outra coisa o reino de Deus e sua justiça e fazer a vontade de Deus aqui na terra como ela é feita nos céus, não é fácil. Resistir aos impulsos consumistas numa cultura hedonista, preservar uma conduta moral e ética elevada em meio a tanta corrupção e promiscuidade definitivamente tem um preço muito elevado. Porém, precisamos ver tudo isto por outro ângulo.

Se o custo do discipulado é alto, já imaginou o custo do não-discipulado? Se amar o inimigo é difícil, tente odiá-lo! Se honrar pai e mãe é custoso, pense na possibilidade de não fazê-lo! Se viver em obediência a Cristo, renunciando o pecado, exige muito, procure ignorar isto!

Vivemos hoje uma sociedade enferma. O número de divórcios aumenta cada dia. O número de filhos que desconhecem o pai é alarmante. As doenças de fundo emocional multiplicam-se. A violência cresce. A corrupção parece não ter fim. Os transtornos psíquicos na infância assustam os especialistas. A raiz da enfermidade pessoal e social, em grande parte, é o não-discipulado. Não considerar os mandamentos de Cristo, seu magnífico ensino no Sermão do Monte, seu chamado para a renúncia ao pecado e a necessidade de diariamente tomar a cruz da obediência para segui-lo tem um custo incalculavelmente maior.

Jesus nos conta a parábola de um homem que descobriu um grande tesouro que estava escondido em um campo. Com muita alegria, tomou tudo o que tinha, vendeu e, com o dinheiro, comprou o campo e com ele seu tesouro. Desfazer de tudo o que tinha foi uma decisão fácil tendo em vista o tesouro que iria adquirir. Só iremos compreender a importância da contrição e do arrependimento, da confissão e da renúncia ao pecado, da obediência aos mandamentos e do valor da cruz se tivermos consciência da riqueza que nos espera.

Pagamos um alto preço pela “graça barata”. Nossas famílias sofrem por causa dela. Nossos filhos encontram-se confusos e perdidos. A nação afunda-se na lama da corrupção, da violência e da promiscuidade. Nossas igrejas transformaram-se em centros de entretenimento religioso, com um comércio de falsas promessas em troca de um evangelho sem cruz e de um reino onde cada um é seu próprio rei.

O chamado de Cristo para sermos seus discípulos, com seu “alto custo”, é o único caminho possível para a liberdade. A única opção para a verdadeira humanidade. A única esperança para nossa sociedade enferma. Se seguir a Cristo exige muito, lembre que não segui-lo vai lhe custar muito mais.

[Ricardo Barbosa de Sousa é pastor da Igreja Presbiteriana do Planalto e coordenador do Centro Cristão de Estudos, em Brasília. É autor de “Janelas para a Vida” e “O Caminho do Coração”.]

[Audiobook] Chaves para o Crescimento Espiritual | John MacArthur

livro-chaves-crescimento-espiritual_1Quanto mais contemplo a face de Jesus nas páginas das Escrituras, tanto mais eu creio que, se você seguir as orientações apresentadas neste livro, experimentará crescimento espiritual. E compreenderá a plenitude de tudo que Deus pretende fazer em, com e por meio de você!

John MacArthur, com base em sua vasta experiência ministerial, escreve uma admirável exposição de princípios bíblicos que revela, de modo conclusivo, o propósito do homem neste mundo: entender e praticar o mandado bíblico, comprometendo-se totalmente, agora e para sempre, com a glória de Deus.

O autor prepara os leitores para este compromisso integral, centrado em Deus, apresentando-lhe passos específicos, chaves, a fim de ajudá-los a desenvolver e manter o crescimento espiritual radiante.

O objetivo é uma vida que se concentra e se focaliza em Deus, até que a pessoa seja envolvida e cativada pela majestade divina. MacArthur oferece métodos viáveis para compreendermos esse objetivo e abrirmos o cofre de tesouros espirituais, abundantes, em Cristo.

Glorificar a Deus do modo como Ele deseja; utilizar modelos significativos de oração; recompensa divina de esperança e obediência; o caminho cristão do perdão e do amor – todos os princípios básicos que levam ao crescimento espiritual autêntico são chaves que John MacArthur utiliza.

Clique no link, ouça ou faça download do audiobook gratuitamente:

http://www.ministeriofiel.com.br/audiobooks/detalhes/17/Chaves_para_o_Crescimento_Espiritual

Se Deus é bom, por que Ele permite o sofrimento? (Pregação)

12919675_983762431659431_1105351743408122586_n

Para ouvir a pregação clique no link:

Se Deus é bom, por que Ele permite o sofrimento?

Fonte: Igreja Esperança – Igreja Cristã Reformada

Cultos: 10h30 e 18h15
Rua Jaguari, 673, Bonfim – BH
Link da IE no Google Mapas: https://goo.gl/39A2zA

Conheça seu Inimigo (2) | Josaías Jr.

us-army-soldier-firing-facebook-cover-timeline-banner-for-fb

Então o diabo o transportou à cidade santa, e colocou-o sobre o pináculo do templo,

E disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te de aqui abaixo; porque está escrito: Que aos seus anjos dará ordens a teu respeito, E tomar-te-ão nas mãos, Para que nunca tropeces em alguma pedra.

Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus.

Mateus 4.5-7

Use e abuse: Os anjos te salvarão

A segunda tentação parece um pouco estranha para alguns, mas imagine a situação de Jesus¹. Ou imagine você nessa situação. Você esteve em um deserto por 40 dias. Você esteve com fome, com sede, cercado por feras, sem qualquer pessoa para conversar. Você passou os dias com calor e as noites com frio. Você esteve indefeso e solitário.

Não é nessa situação que imaginamos o Filho de Deus. Ou qualquer dos filhos de Deus. Ou mesmo qualquer pessoa. Fomos criados para viver em um jardim, entre animais que nos obedeciam e nos respeitavam, acompanhados de um cônjuge, de um Deus, de árvores de todo tipo. Não havia fome, solidão, perigo ou desamparo.

Não é sem motivo que o diabo leva Jesus para um cenário que é oposto ao deserto. Eles vão parar na cidade santa, onde multidões caminham, e não há solidão. Sobem ao topo do templo, o centro da vida política, cultural e religiosa de Israel. O templo era o local onde se cria que Deus habitava, um pequeno retorno ao Éden, com suas representações de animais e árvores². Este sim é o local adequado para os filhos de Deus. Afinal, “está Deus no meio de nós ou não?”, já diziam os judeus no deserto.

Então, o diabo cita o Salmo 91. Ele fala de alguém que sai vitorioso das provações. Alguém que foi salvo porque amava a Deus, que foi posto em “um alto retiro” por conhecer o nome dele. Alguém que não foi abandonado em meio às feras. Deus está com este personagem ou não? É óbvio que sim!

Com isso em mente, imagine essa prova para você. Você está mais acostumado com ela que pensa. Não tenho a menor dúvida de que existem problemas afligindo sua vida. Nesse mundo caído, sempre há problemas. Seja uma doença, falta de namorada, vestibular, relacionamentos, desemprego. Ou então, coisas menos rotineiras, como dúvidas em relação à salvação, respostas de oração, a falta de algum tipo de experiência mais “espiritual”, ou uma igreja que não responde da maneira esperada ao seu ministério. Você se sente só e desamparado às vezes. Está Deus comigo ou não?

Mas eis que surge a solução. Prove Deus. Teste-o! Um anjo aparece pra você e diz: “Suas dúvidas podem acabar. Tudo o que você precisa fazer é _________ e Deus te mostrará que está com você”. Traduzindo para nossa vida: peça uma prova, exija uma evidência, agarre-se a algo – ele deve mostrar o amor por você, não? Ele está entre nós ou não?

O problema é que, biblicamente, essa opção, que parece mostrar tanta fé e piedade é, na verdade, falta de confiança. É abuso, manipulação. Logo após Jesus citar a “palavra que sai da boca de Deus”, o inimigo usa um texto bíblico para fazer seu argumento. Somos semelhantes ao povo de Israel que esperava sinal o tempo todo, ou que pensava que o templo era sinônimo de bênção e proteção – não importa quantos outros deuses eles adoravam juntos de Yahweh. Eles responderiam: o templo está entre nós, logo Deus está entre nós. Manipulação dos benefícios que a aliança trouxe a eles.

Quantas vezes não caímos por tentar manipular a Deus fazendo o mesmo? Como o crente que lança maldições sobre desafetos no trabalho por achar-se numa posição superior após ler “amaldiçoarei aqueles que te amaldiçoarem” (Gn 12.3). Ou o irmão que espera prosperidade em resposta ao seu dízimo (Ml 3.10). Como aqueles que leem Hebreus 11 até o começo do verso 35, consideram-se “heróis da fé” e ignoram o que vem depois.

Para os reformados e evangélicos, em especial, o maior perigo é o abuso da graça. É testar Deus por meio de pecados, pecados e pecados acreditando que a graça significa apenas perdão e não regeneração, santificação e glorificação. Deus está comigo, de qualquer forma, de qualquer jeito, porque ele prometeu.

É curioso que o salmo citado por Satanás é o Salmo 91, um dos mais famosos em nosso país, usado como amuleto em diferentes lares, de diferentes práticas, religiões e tradições. Criticamos essa prática supersticiosa no Brasil, mas podemos ter também nosso “Salmo 91″. Seria o fato de eu ser membro de igreja? A crença no perdão de Deus mesmo para aqueles que não se arrependem? Os cinco pontos ou os cinco solas? O sentimento de euforia após um culto de acampamento? Aquela sensaçãozinha de paz a que me agarro, mesmo vivendo como se Cristo não vivesse em mim? Ou a tola esperança de que num último momento Deus realmente vai mandar os anjos e eu não vou me esborrachar lá embaixo?

A resposta de Jesus contra o inimigo é Deuteronômio 6.16, um texto que faz referência aos incidentes de Massá e Meribá (Êx 17; cf; Sl 95) – quando faltou água no deserto e o povo começou a dizer “está Deus no meio de nós?”. Meribá signfica “rebelião” e Massá significa “provação”. Como fez com Israel, o diabo queria levar Jesus a rebelar-se contra seu Pai, por meio de provas. Novamente, Satanás queria que Jesus se assemelhasse a ele, tornando-se um tentador. Hoje, essa provocação atormenta os filhos de Deus. Às vezes, quando pensamos ser muito piedosos, ao invés de nos assemelharmos a Cristo, podemos estar mais parecidos com aquele que o tentou.

Octavius Winslow nos lembra que, nesse trecho, Satanás disfarça a autodestruição chamando-a de salvação. Nosso coração é enganoso e procura manipular tudo a seu favor. O sinal de piedade que o diabo propôs era certeza de suicídio.

¹ Nesse ponto, em especial, sou devedor a Russell Moore em seu livro Tempted and Tried.
² Para uma tabela que mostra a ligação ente o Éden e o Templo/Tabernáculo, ver God’s Glory in Salvation through Judgment: a Biblical Theology,  de James M. Hamilton. Boas informações também em From  Eden to  the New Jerusalem,  de T. Desmond  Alexander.

Por Josaías Jr. | Reforma 21

9 Fatos que Você Deveria Saber Sobre Edith Schaeffer | Joe Carter

schaeffers0330

Edith Schaeffer, a esposa do Rev. Francis Schaeffer (1912-1984) e com ele fundadora do L’abri, agora está com o Senhor. Faleceu em 30 de Março de 2013 em sua casa, na Suíça, cuidada em seus últimos dias por sua filha Debby e seu genro, Udo Middleman.

Eis aqui 9 fatos que você deveria saber sobre a Sra. Schaeffer:

1. Schaeffer nasceu em Wenzhou, China, filha de missionários que estavam servindo na Missão do Interior da China.

2. Além de seu nome inglês, seus pais lhe deram o nome chinês Mei Fuh, que significa “bela alegria”.

3. Em 26 de Junho de 1932, Edith compareceu a uma reunião em sua liberal igreja presbiteriana onde um ministro unitariano fez um discurso sobre “Como eu sei que Jesus não é o Filho de Deus, e como eu sei que a Bíblia não é a Palavra de Deus”. Ela estava preparada para apresentar uma refutação quando um rapaz levantou e disse: “Meu nome é Francis Schaeffer e eu quero dizer que eu sei que Jesus é o Filho de Deus, e ele é também meu Salvador”. Após Francis apresentar seu testemunho, Edith adicionou uma breve apologética à verdade bíblica. Os dois começaram a namorar e se casaram três anos depois.

4. Para que seu marido Francis pudesse terminar o seminário, Edith costurou ternos masculinos e fez becas e vestidos de noiva para clientes particulares.

5. Após três anos servindo em ministério pastoral ativo nos Estados Unidos, os Schaeffers mudaram-se com a família para a Suíça em 1948 para ajudar igrejas em seus esforços de resistir tanto ao liberalismo na teologia quanto ao existencialismo na cultura após a Segunda Guerra Mundial.

6. A L’Abri Fellowship [clique e conheça a extensão no Brasil] começou na Suíça em 1955 quando Francis e Edith decidiram abrir seu lar para ser um lugar onde as pessoas pudessem encontrar respostas satisfatórias para suas perguntas e demonstrações práticas de cuidado cristão. Foi chamada L’Abri, a palavra francesa para “abrigo”, porque eles buscaram proporcionar um abrigo das pressões de um século 20 inexoravelmente secular.

7. Em 1960, a L’Abri tinha se tornado tal fenômeno que atraiu  os olhos da revista Time. A “Family Letter” de Edith teve uma circulação de 1.300 pessoas, e seu “High Tea” de domingo à noite estava recebendo mais de 50 pessoas de todo o mundo semanalmente.

8. Edith ajudou a restaurar e popularizar as artes quase esquecidas da hospitalidade e do serviço de casa dentro da comunidade evangélica durante o fim do século vinte. Conforme ela escreveu em seu livro O que é uma Família?, “É necessário haver uma dona de casa exercitando alguma medida de habilidade, imaginação, criatividade e desejo de satisfazer necessidades e dar prazer aos outros na família. Quão preciosa é a família humana. Ela não vale algum sacrifício em tempo, energia, segurança, desconforto, trabalho? Há alguma coisa que venha à existência sem trabalho?”

9. Edith escreveu ou coescreveu 20 livros, dois a menos que seu marido.  Dois de seus livros (“Aflição” e “A Tapeçaria: A Vida e a Época de Francis e Edith Schaeffer”) ganharam o Prêmio Medalhão de Ouro da Associação de Editoras Cristãs Evangélicas (Evangelical Christian Publishers Association).

Por Joe Carter, Copyright © 2013. Copyright © 2013 The Gospel Coalition . Original: 9 Things You Should Know About Edith Schaeffer.

Tradução: Alan Cristie. © Voltemos Ao Evangelho. Website: www.voltemosaoevangelho.com